O futuro da energia eólica

O uso da energia eólica para gerar eletricidade para a rede é um fenómeno bastante recente na sequência do desenvolvimento moderno da energia eólica a partir de final dos anos 1970, na esteira das crises do petróleo. Desde então, a energia eólica tem crescido a taxas espetaculares, graças a preocupações como a segurança energética, economia e  proteção ambiental e mudanças climáticas.

Assim, ao longo dos últimos 25 anos a capacidade global de energia eólica tem duplicado a cada três anos, correspondendo a uma expansão de dez vezes em cada década. Até ao final de 2009, a capacidade eólica instalada no mundo era de aproximadamente 160 GW. Aproximadamente 2% da capacidade instalada em 2009 era offshore.

A energia eólica é, neste momento, uma energia madura que com a baixa de custos de produção, aliada ao aumento dos custos das energias fósseis brevemente atingirá a paridade de preços. Os países desenvolvidos em todo o mundo e, muito particularmente, na Europa, estão fortemente empenhados na sua expansão, como se pode ver pela figura.

eolica2020

A implementação destas metas surgem de vários fatores, entre os quais se destacam um ambiental de redução da emissão dos gases de estufa, e outro económico,  pois caso nada seja feito, a importação global de energia na Europa subirá de 50% para  65%.

Os desenvolvimentos futuros para a energia eólica são descritos no cenário avançado do relatório de 2008 do Global Wind Energy Council, pelo Centro Aeroespacial Alemão, e no relatório de 2008 a AIE pelo Risø DTU Laboratório Nacional de Energia Sustentável. Estes sugerem que a penetração da energia eólica global poderia ser 10% até 2020, 20% em 2030 e 25-30% da procura de electricidade em 2050. Esses cenários são baseados em taxas de crescimento de 27% em 2008, caindo para 22% em 2010, 12% até 2020 e 5% em 2030. Metas desta ordem são realistas, e o recurso eólico disponível não é o fator limitante: o consumo de eletricidade atual global corresponde ao gerado por um parque eólico com 1.000 quilómetros quadrados. Planos de longo prazo devem, portanto, basear-se nestas taxas de crescimento.

Acredita-se, no entanto - e isto é apoiado por tendências mais recentes - que a próxima década será um novo período de desenvolvimento de tecnologia e mais com mais escala, levando a turbinas mais eficazes com uma melhor relação custo/benefício, fiáveis ​​e controláveis ​​ e novas aplicações. Isto é em parte devido à maior concorrência internacional, mas também porque a indústria está cada vez mais dominada por empresas de alta tecnologia internacionais. A mudança para instalar no mar (offshore)  mais capacidade também favorece grandes turbinas e incentiva novas formas de pensar.

Ao nível das tecnologias, nos últimos 20 anos, a  capacidade de turbinas têm crescido continuamente.  A nível global há  turbinas   desde 1,0 MW até 3,6 MW. As maiores turbinas eólicas são instaladas no mar, nomeadamente no Reino Unido e Dinamarca, enquanto as turbinas na Ásia são geralmente menores, em torno de 1,0-1,4 MW.

De 2005 a 2009 o foco da indústria parece ter sido no aumento da capacidade de produção, atendendo à procura do mercado e fabricar  turbinas eólicas mais fiáveis. O desenvolvimento de turbinas novas e maiores, até certo ponto,  estagnou, e mesmo os custos aumentaram devido à alta demanda e aumento dos custos de materiais.

Enquanto inicialmente o desenvolvimento foi efetuado por empresas na Europa e Estados Unidos, agora na Ásia, os novos jogadores, que no início,  utilizavam tecnologia licenciada na Europa, rapidamente passaram a desenvolver as suas próprias turbinas eólicas.

eolicafuturo

Para as próximas décadas, prevê-se o incremento de pequenas turbinas, para utilização em “isolated grids”, turbinas entre 6 a 10 MW offshore, com sistemas fixos ou sistemas flutuantes, utilização combinada entre a energia eólica e energia das ondas, e turbinas com armazenamento integrado.

 

offshore spar

ilhadeenergia